Sex, 20 de Outubro de 2017
JV color JV color JV color

Logotipos de meios de pagamento do PagSeguro
Telefones p/contato:(019) 3305-2388 / 99174-9074(Claro c/ WhatsApp) / 98893-2568(Oi) Você está em: Home Diabetes - Efeito da Canela no controle da glicemia

Efeito da canela na glicemia pós-prandial, esvaziamento gástrico e saciedade em pessoas saudáveis

Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes
Dra. Daniela Almeida
Nutricionista do Serviço de Cardiologia da Santa Casa de Misericórdia.
Especialista em Nutrição e Gastronomia Funcional.
Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD 2008/2009

    A incidência do Diabetes tipo 2 vem crescendo rapidamente. Mudanças na dieta ajudam a prevenir o desenvolvimento do diabetes tipo 2 e a controlar a glicose sanguínea. Ervas e especiarias também podem ser usadas para controlar a glicose sanguínea.

    Canela, louro, cravo, noz moscada, avelã, orégano, chá preto e verde, tem sido mostrados como tendo uma atividade biológica “insulin-like = boa para insulina”. Dessas substâncias, a canela tem aparecido como a que tem esta maior atividade biológica. Um polímero  polifenol tipo 1 solúvel  em água tem sido isolado e mostrado in vitro como tendo esta atividade, assim como efeito antioxidante. A canela tem demonstrado reduzir a glicose sanguínea, triglicerídios e colesterol  LDL  e total em pacientes com diabetes tipo 2, quando adicionada à dieta de 40 dias em doses de 1, 3 ou 6 gramas.

    O esvaziamento gástrico, dentre outros fatores, regula a resposta da glicose sanguínea pós-prandial, e um retardo na taxa de esvaziamento gástrico leva a uma diminuição da concentração da glicose sanguínea pós-prandial. Portanto, este estudo foi designado para determinar se há um retardo no esvaziamento gástrico que afete a glicemia pós-prandial e a saciedade em pessoas saudáveis, após o consumo de canela.

    Quarenta pessoas saudáveis (8 homens e 6 mulheres entre 20 e 38 anos, IMC entre 18,4 e 26), sem sintomas ou história de doença gastrointestinal, cirurgia abdominal ou diabetes  foram incluídos neste estudo transversal.

    Os indivíduos  foram examinados entre 07:30 e 10 horas depois de 8 horas de jejum. Cada sujeito foi testado para uma glicemia de jejum normal no dia do exame.

    A refeição teste consistia em 300 gramas de pudim de arroz misturada com 6 gramas  de canela. O valor calórico total era de 300 kcal: 10 % de energia da proteína (3g), 58% da energia do carboidrato, (16g) e 32% de energia da gordura (4g). A refeição de referência consistia de 300 g de pudim de arroz. As refeições foram servidas ao acaso e ingeridas em 5 minutos.
A ingestão de pudim de arroz com canela resultou em significativa redução da resposta glicêmica (P< 0,05)  na fase pós-prandial (15, 30 e 45 minutos) que a refeição referência.

    As áreas médias gástricas antrais foram significativamente (p<0,05) maiores 90 minutos após a ingestão de pudim de arroz com a adição de canela do que 90 minutos depois da ingestão de pudim de arroz. Não houve diferenças significativas entre áreas gástricas antrais aos 15 minutos. O valor médio da taxa de esvaziamento gástrico após a refeição com canela foi estimada em 34,5%, enquanto que depois da refeição de referência foi estimada em 37%. A ingestão de canela resultou em taxa significativamente menor de esvaziamento gástrico (p<0,05).

    A ingestão de pudim de arroz com canela não resultou em significativamente maior saciedade (15, 30, 45, 60, 90, e 120 min) do que visto com a refeição de referência com pudim de arroz.

    O estudo mostra que a ingestão de 6 g de canela reduz a glicemia pós prandial e a taxa de esvaziamento gástrico em sujeitos saudáveis. Esses achados podem indicar que a redução da glicemia pós prandial após a ingestão de canela pode ser parcialmente explicada pela redução do esvaziamento gástrico, por que a taxa de esvaziamento gástrico age como o principal fator na homeostase da glicose sanguínea em sujeitos normais pelo controle da distribuição de carboidratos para o intestino. Além disso, a canela tem demonstrado melhorar a função do receptor de insulina pela ativação do receptor PI 3-quinase e inibição das tirosino-fosfatos. A canela também tem mostrado estimular a atividade do receptor de insulina aumentando as concentrações da proteína intracelular IRS-1 e aumentando a ligação para PI 3-quinase, que leva ao aumento da captação de glicose celular.

    O presente estudo mostrou que a presença de canela numa refeição semi sólida reduz a resposta da  glicose pós prandial em sujeitos saudáveis e que a causa dessa redução pode ser em parte pelo retardo do esvaziamento gástrico.

    Khan e colaboradores mostraram  que a  suplementação de  relativamente pequenas quantidades de canela em pó (1 g/d)reduziu a glicemia em jejum e melhorou o perfil lipídico em pacientes na pós menopausa com Diabetes tipo 2.

    Em outro estudo com homens e mulheres com Síndrome Metabólica, os resultados suportam a eficácia da suplementação de canela na redução da glicemia em jejum e melhora na composição corporal.

    Todavia, alguns estudos falharam em replicar estes achados. Vanschoonbeek e colaboradores concluíram que a suplementação de canela (1,5 g/d) não melhorou  a sensibilidade à insulina, tolerância oral á glicose ou perfil lipídico em pacientes em pós menopausa com diabetes tipo 2. Tang e colaboradores também não encontraram mudanças na glicose de jejum e no perfil lipídico depois de suplementação de 4 semanas com canela em pacientes jovens saudáveis.

    Não há recomendações de ingestão de ervas, mas a canela é um alimento promissor, rico em polifenóis, de sabor agradável, de baixo custo e de fácil uso, podendo ser utilizada para melhorar o sabor de diversas preparações.

    Apesar disso, mais pesquisas são necessárias para a canela ser recomendada para o tratamento de pacientes com Diabetes tipo 2.


BIBLIOGRAFIA
1. Hlebowicz J, Darwiche G, Bjorgell O, Almer LO. Effect of cinnamon on postprandial blood glucose, gastric emptying, and satiety in healthy subjects.
Am J Clin Nutr 2007;85:1552–6.

2. Vanschoonbeek K, Thomassen BJ, Senden JM, Wodzig WK, van Loon LJ. Cinnamon  supplementation does not improve glycemic control in postmenopausal type 2 diabetes patients.
J Nutr 2006;136:977–80.

3.Tang M, Larson-Meyer DE, Liebman M. Effect of cinnamon and turmeric on urinary oxalate excretion, plasma lipids, and plasma glucose in healthy subjects.
Am J Clin Nutr 2008;87:1262–7.

4. Khan A, Safdar M, Ali Khan MM, Khattak KN, Anderson RA. Cinnamon improves glucose and lipids of people with type 2 diabetes.
Diabetes Care 2003;26:3215–8.

5. Ziegenfuss TN, Hofheins JE, Mendel RW, Landis J, Anderson RA. Effects of a water-soluble cinnamon extract on body composition and features of the metabolic syndrome in pre-diabetic men and women.
J Int Soc Sports Nutr 2006;3:45–53.

 

Tornar nosso site favorito

 

Clique na aba verde e Fale Agora

Cesto de Compras

O seu Cesto encontra-se vazio no momento.

Visitantes On-Line.

Nós temos 30 visitantes online